Iguaçú Contabilidade - Porto Velho/RO
A Empresa Estrutura Serviços Certidões Informativos ISO 9001 Notícias Links Úteis
 
 

06/07/2016

Cofins/PIS-Pasep – Receita Federal traz esclarecimentos quanto à aplicação da alíquota zero das contribuições prevista para massas alimentícias
Cofins/PIS-Pasep – Receita Federal traz esclarecimentos quanto à aplicação da alíquota zero das contribuições prevista para massas alimentícias Publicado em 6 de Julho de 2016 às 8h38. A Receita Federal do Brasil (RFB) esclareceu que, para fins de aplicação da alíquota zero das contribuições para o PIS-Pasep e da Cofins incidentes na importação e sobre a receita bruta de venda no mercado interno de massas alimentícias classificadas na posição 19.02 da TIPI de que trata o art. 1º, XVIII, da Lei nº 10.925/2004, a mercadoria deve estar classificada em uma das seguintes subposições da TIPI: a) 1902.1 - Massas alimentícias não cozidas, nem recheadas, nem preparadas de outro modo; b) 1902.20 - Massas alimentícias recheadas (mesmo cozidas ou preparadas de outro modo); ou c) 1902.30 - Outras massas alimentícias. Dessa forma, concluiu a RFB que a subposição 1902.40 (Cuscuz) não faz parte da conceituação de "massas alimentícias classificadas na posição 19.02 da TITPI" descrita na mencionada Lei. Vale ressaltar que, embora a legislação tributária tenha estabelecido a obrigatoriedade de proceder à classificação fiscal de mercadorias aos industriais, importadores e exportadores, bem como aos equiparados a eles pela legislação, os sujeitos passivos de obrigação tributária principal ou acessória cuja determinação do regime jurídico tributário destas obrigações dependa diretamente da classificação fiscal de mercadorias, não podem se eximir de conhecer e aplicar corretamente essa classificação fiscal, para o também escorreito enquadramento na legislação tributária a eles aplicável. O processo de consulta sobre a classificação fiscal de mercadorias está disciplinado pela Instrução Normativa RFB nº 1.464/2014 e pode ser formulado por sujeito passivo de obrigação tributária principal ou acessória. Todavia, deve o pleiteante seguir o rito próprio desta norma, sobretudo no que se refere às informações sobre os produtos listados em seu art. 6º, sob o risco de ter a consulta declarada ineficaz e sem a produção de efeitos que lhes seriam próprios, conforme dispõe o art. 23 desta norma. (Solução de Consulta Cosit nº 99/2016 - DOU 1 de 06.07.2016)
 
Fonte: Editorial IOB
 
 
 
Mais notícias
[17/08/2018] - Trabalhista - Alterado o formulário para requerimento de autorização de residência do imigrante perante o Ministério do Trabalho
[03/08/2018] - Sped - Aprovada a nova versão do Manual de Orientação do Leiaute 6 da ECD
[06/06/2018] - ICMS/RO - Diversas alterações no Manual de Orientações da EFD
[09/04/2018] - Divulgados os coeficientes de atualização das contas do FGTS para abril/2018
[06/02/2018] - TSE regulamenta as finanças e a contabilidade dos partidos políticos
[28/06/2017] - Tributos e Contribuições - Parcelamento de Débitos no Regime Especial Unificado de Arrecadação - Microempresas e Empresas de Pequeno Porte - Alteração da Instrução Normativa RFB nº 1.508 de 2014
[26/06/2017] - Trabalhista/Previdenciária - Ambiente de produção restrita para testes do projeto eSocial nas empresas será disponibilizado a partir de 26.06.2017
[15/12/2016] - Responsabilidade solidária do contador
[19/09/2016] - “Exclusão de Ofício de Pessoas Jurídicas do Simples Nacional”
[05/09/2016] - Tributos e Contribuições Federais - Receita Federal republica atos com esclarecimentos sobre a aplicação da legislação tributária federal
 
 
 
2008 Todos os direitos reservados. Escritório de Contabilidade Iguaçu Ltda.